coracao partido

As Quatro Fases de Um Amor Complicado (E Como Sair Delas)

Se você sente arrependimentos frequentes por decisões de relacionamentos amorosos, é possível que este post tenha a ver com o seu caso. Eu estava conversando com uma pessoa muito querida, quando ela me contou várias razões pelas quais deseja voltar para um possível amor da sua vida. Alguém que luta por essa pessoa o tempo todo, que diz que eles são feitos um pro outro… Essas coisas.

Não vou entrar em detalhes sobre quais são exatamente as razões do casal, mas existe um padrão interessante nos relacionamentos, pelo qual muita gente já passou, e que eu quero comentar aqui. Eu mesmo já estive dentro dele, e o que quero é que você, assim como eu e várias pessoas que conheço, melhore-o.

Relacionamentos “Iôiô”… Conhece Alguém Assim?

A primeira coisa que devo destacar é que essa pessoa, assim como muitos de nós quando estamos em relacionamentos amorosos complicados, vive num “vai-e-volta” que parece não ter fim. O casal junta, separa, junta, separa… Em um ciclo que a gente até consegue prever qual será a “próxima parada”.

O destino dessa rotina é um dia saturar: ou o casal fica de vez, ou separa de vez. A ficha cai, mas costuma demorar bastante. Fica aquela sensação de tempo perdido, sabe? Então, no fim desse ciclo, duas emoções muito comuns entram em jogo: a tal resignação e o arrependimento. Vamos analisar a história de um relacionamento desse tipo. Aqui em baixo estão as quatro fases de um típico amor complicado:


Cabem aqui algumas observações:

  1. A vida a dois é uma fase contínua, preenchida ao longo do tempo por insatisfações
  2. A separação é um evento causado pela saturação de pelo menos uma das partes
  3. A vida em separação é contínua e preenchida por saudade e insegurança
  4. O momento da reconciliação é um evento motivado pela falta da companhia do outro, e é publicamente famoso por ser um dos melhores momentos que alguém pode viver na vida.

Você Prefere a Reconciliação ou a Redenção?

Sério… Quem nunca ouviu falar que o “amor da reconciliação” é o melhor que existe? Na minha análise, esse é momento de “pico” de um relacionamento complicado, porque até que ele aconteça, três outras fases cheias de turbulências rolaram. E viver em turbulência não é viver feliz.

A idéia do “amor da reconciliação” como um dos melhores da vida de alguém é uma farsa. Quem vive apenas pra se reconciliar desconhece a beleza do amor diário, de longa vida, sem conflitos.

Se você observar o diagrama, vai perceber que esse ciclo pode ser dividido em duas metades, esquerda e direita. Há quem diga que uma das metades pode ser a “bonança” e a outra metade é a “tempestade”. Eu quero saber de você: qual das duas você acredita ser a bonança, e qual das duas é a tempestade?

Você Se Sente Numa Prisão Quando Está Com o Seu Amor?

Certos casais, ao viverem juntos, parecem querer controlar um ao outro. Existem certas regras que induzem reclamações na vida a dois. Coisas do tipo: “nós só podemos sair se for juntos”, ou “ele(a) não colabora comigo”, ou “ele(a) dá mais atenção aos amigos do que a mim”.

Seja qual for a reclamação, ela parece ser especialmente presente enquanto o casal vive junto. Alguns problemas nunca são resolvidos, e já que sempre provocam discussões, às vezes são até evitados. Fica aquele “climinha”, sabe? Tipo, você percebe que tem algo estranho no ar, mas a outra pessoa diz: “não foi nada”. Isso satura. Satura muito. Ninguém merece viver assim.

Obviamente, continuar nesse estágio faz você pensar: esse não é o amor da minha vida. Não é a pessoa com quem eu deveria estar.

Quando Você Separa, Vive Morrendo de Saudades?

No momento em que se encontram longe um do outro, os pombinhos morrem de amores. Após um breve momento de satisfação inicial (que é muito breve mesmo), começam a surgir as grandes dúvidas… “Será que eu fiz certo?”, “será que eu sou uma pessoa boa?”, “será que é mesmo ele(a) o amor da minha vida?”, “Será que a gente precisa mesmo voltar?”

Mesmo separados, dá aquela vontade de saber do outro. Aquela insegurança… “Será que eu vou perder essa pessoa? E se eu nunca mais conseguir alguém assim? Ele era desse jeito, mas pelo menos ele fazia aquilo que eu gosto tanto…”

Não preciso dizer que é o aumento dessa insegurança, aliado à saudade do contato e do próprio amor um pelo outro que faz o casal retomar o relacionamento… No dia do grande reencontro, acontecem promessas, juras, pedidos de perdão dos dois lados… E finalmente, o ato da consumação do amor na reconciliação do casal. Ah, o amor!

Nota: não se preocupe se você sentiu certos “calores” quando leu esse último parágrafo. Muita gente vai sentir também.

Quais As Consequências do Fim Desse Ciclo?

Como eu disse anteriormente, é comum essa rotina saturar um dia. E aí, das duas, uma acontece: ou o casal fica de vez, ou separa de vez. Mas… Quais são as conseqüências de encarar uma posição “definitiva” sem mudar a maneira como você enxerga os seus relacionamentos?

Logicamente, se você se separa definitivamente nessa história complicada, vai se sentir com um “amor perdido” por muitos anos, senão pelo resto da sua vida. Aquela dúvida vai perdurar pra sempre na sua cabeça… “E se ainda estivéssemos juntos?” É muito comum vermos pessoas que não conseguem viver um amor pleno com alguém novo depois de uma grande história.

O outro lado também acontece: se você vive junto definitivamente, vai achar que boa parte da sua vida é uma infelicidade a dois. Isso é horrível. Pinta sempre aquela vontade de “estar longe”, de sumir de onde você vive. Pelo menos por um tempo, só pra “pegar um pouco de ar”. Isso também dá margem para traições e violência, inclusive a psicológica. Já vi tudo isso acontecer bem de perto, e não é nada agradável.

Nos dois casos, você vai acabar alimentando uma vida amarga. Eu e você sabemos que essa não é a maneira correta de se viver.

Visitando o Olho do Furacão

No epicentro desse ciclo insalubre estão os motivos destrutivos. É como se fosse um furacão mesmo. Frequentemente, poetas retratam os sentimentos como um “turbilhão”. São vontades e desejos que nos impulsionam a desconstruir nosso estado exterior. O movimento de desconstrução/reconstrução é humano e saudável, desde que não te prenda em uma cadeia que te faça infeliz.

Se você quer saber se seus motivos são construtivos ou destrutivos, basta olhar o seu ambiente: com suas decisões e seus pensamentos, seu relacionamento fica melhor ou pior a cada dia? Mais segurança ou mais insegurança? Mais satisfação ou menos satisfação?

Esse negócio é sintomático: se o seu resultado é positivo, então está no caminho certo. Se é negativo, você precisa mudar algo. E isso tem que começar por dentro.

O Interior e o Exterior São Mundos Diferentes

Uma pessoa que vive em um eterno vai-e-volta em seus relacionamentos enfrenta um conflito muito grande: quando está junta do outro, deseja estar separada. Quando se encontra separada, deseja ficar junta. Não me interessam os motivos: interessa o resultado desse “vício” de relacionamento.

Permita-me ser um pouco autoritário aqui: enquanto você for incapaz de alinhar seu interior e exterior, você será incapaz também de viver o seu grande amor adequadamente. Não é saudável pra você querer a todo momento o exato oposto da situação em que você vive. Você sabe disso, não preciso te lembrar.

Se você passa por esses problemas, você precisa desenvolver a aceitação da sua condição. Qual delas? Juntos ou separados? A escolha é inteiramente sua… Mas qualquer que seja a decisão, você precisa também decidir que todo evento externo será uma grande e nova ferramenta no desenho e na descoberta do seu amor verdadeiro. Esse é o propósito, e ele não pode sair da sua cabeça.

O amor perfeito existe. Ele reside antes na escolha de se viver o amor perfeito, não me interessa com quem. Tenha uma vida plena e feliz, porque todas as pessoas merecem essa vida.

Uma das ferramentas cruciais para lidar com essas coisas é a compreensão mais aprofundada das nossas emoções. Se você está pronto para entender se é capaz de transformar as suas, então você pode aprender mais na ferramenta de autoavaliação online que eu disponibilizei no link a seguir:

Você sabe controlar suas emoções?

Abraços Fraternos,
Rodrigo Santiago – Coach

Rodrigo é co-fundador do Movimento Espalhe o Amor, com mais de 1 milhão de fãs nas mídias sociais. Com mais de 1000 horas de experiência atendendo clientes individualmente, Rodrigo é capaz de levar praticamente qualquer pessoa a conquistar o domínio sobre suas próprias emoções em situações complicadas, utilizando para isso apenas o diálogo. É membro do time de liderança da International Society of Neuro-Semantics (ISNS) - uma organização presente em mais de 40 países que redefiniu o que é Desenvolvimento Humano.

7 Comments

  • Nathalia Carazza

    Reply Reply March 17, 2011

    Excelente!!! Já passei por isso! rs

  • Veronica Monteiro

    Reply Reply April 3, 2014

    Estou passando por isso nesse momento.Me separei tem 3 meses,minha ex de 10 anos já arrumou outra pessoa e não quer mais voltar pra mim,estou sofrendo muito,pensei até em me matar mais por causa do meu filho desisti,o que mais me deixa triste é que eu sei que ela ainda me ama…ela tenta me ajudar a arrumar um emprego melhor,liga pra minha casa pra ouvir minha voz,quando eu fico algum tempo sem procurar e ligo ela fica toda feliz,e quando eu pergunto se ela tá feliz,se não me ama mais,ela fica irritada e diz que não quer me responder,preciso de ajuda o que que eu faço?

    • Rodrigo Santiago

      Reply Reply April 4, 2014

      Essa é uma situação complicada. O que você quer dela? Quer esquecer ou tentar voltar?
      Essas são coisas que precisamos discutir em ambiente privado. Se vc quiser, basta usar o formulário de contato.

  • mih

    Reply Reply April 6, 2014

    Esse texto descreve muito bem o que tenho passado nesses 10 meses. A pessoa que eu amo sempre corre atrás (nunca parte de mim),diz que me ama,que sente minha falta…e ai a gente fica,a gente volta,tenta tudo de novo,e passa uma semana ou no máximo 2,ele começa a ficar inseguro,mistura os problemas familiares dele,e fala pra gente ficar só na amizade. Estamos nisso cerca de 6~7x nesses 10 meses. Cheguei a um ponto de desistir de vez. Mas é complicado pq ele tem uma vida problemática e eu sei que ele precisa de mim ao menos pra desabafar. Ele diz que sou a melhor amiga dele nesse ponto,pois sempre pode desabafar comigo e pedir conselhos,e pede pra eu nunca sair de perto dele.
    É difícil me afastar totalmente dele,pois o nosso ciclo de amizade é o mesmo. Todo fim de semana a gente canta e toca juntos nos bares e choperias,e por mais que eu tente me mostrar sossegada em relação a separação,ele parece que se incomoda e vem dizer que me ama e tals….
    Me sinto perdida. Mas desisto!

  • Virgínia

    Reply Reply April 25, 2014

    Olá!! Meu nome e Virgínia e acabei de sair de um relacionamento complicado. Pesquisei algumas coisas e achei que ele se enquadra no quadro de misóginos. Eu o amo mas estava definhando nessa relação e mais uma vez terminamos, esta doendo muito e ele também esta sofrendo, mas ele nao quer procurar ajuda e eu não sou capaz de ajudá-lo sozinha.

  • Miriam

    Reply Reply July 6, 2014

    Olá …gostaria de obter os seus contatos para uma consulta . Obrigada

Leave A Response

* Denotes Required Field